quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Duas figuraças!

__Deixei Big Sky de carona junto com o João. Fomos juntos para Bozeman. Ele passaria um mês viajando pelos EUA, principalmente pela Califórnia. Eu ainda tinha mais dois meses pela frente. Encontraria meus amigos Eddy e Darlene em Las Vegas dali dois dias. Até lá, ficaria hospedado no Backpackers.
_
__Backpackers
_
__O ônibus do João para a Califórnia sairia perto da meia-noite. Como chegamos em Bozeman por volta das 4 horas, ele ainda tinha bastante tempo para matar. Depois de darmos uma rodada pela cidade, fomos tirar um descanso no Backpackers. Lá, um velhinho descansava sentado na frente do albergue. Depois que nos viu entrar, veio atrás. O João foi tomar um banho. Eu fiquei no sofá, tocando o violão da casa, e aquele senhor veio conversar comigo.
__-Então, de onde você é?
__-Do Brasil.
__-Hum. É turista?
__-É... mais ou menos. Vim para trabalhar no Big Sky.
__-Oh! Eu trabalho no Yellowstone Park. Conhece?
__-Sim.
__-Eu sei tudo de lá. Sou um guia. Tem animais lá no parque que fui eu quem descobriu. Adoro estar lá. Adoro trabalhar. Diz a Bíblia que o trabalho... sim, eu sou um cristão. Como eu falava, diz a Bíblia que o trabalho...
__Ele falava sem olhar nos meus olhos. Estava sempre com o rosto virado para o teto. Só nas pausas e no fim das frases é que ele se voltava para mim. E estava também olhando para cima quando falou da Bíblia, para então parar, olhar para mim e dizer que sim, ele era cristão. Como se eu tivesse ficado espantado com o simples fato de ele ser cristão. Como se fosse uma grande surpresa ouvir alguém falar da Bíblia em um país protestante.
__-O homem precisa trabalhar. Eu poderia estar aposentado, mas não. Trabalharei até morrer, mesmo ganhando pouco. Além de trabalhar, sou pastor. Morei em Los Angeles. Trabalhei tentando recuperar membros de gangues. Fui esfaqueado no ônibus por um deles. Quando eu era bem novo, perdi minha esposa e meu filho em um acidente de carro. Mas estou aqui trabalhando. E pregando. Tudo bem se você não for cristão. Respeito quem não acredita em nada e quem acredita em qualquer religião, até no Islã. Não, não. No Islã não. Esqueça o que eu disse sobre o Islã. Essa é uma religião violenta que prega o mal. Não que eu seja um pacifista. Não sou um pacifista. Mexa com a minha família e você vai ver quão pacifista eu sou. Que tipo de governo vocês têm no Brasil?
__-Uma democracia capitalista.
__-Hum! Capitalismo. Isso é bom. Não há nada de errado com o capitalismo, não é mesmo?
__-Não.
__Nisso, um homem moreno começou a descer as escadas que vinham dos quartos do segundo andar. Ele usava uma bandana e uma camisa xadrez. O velhinho falou com ele:
__-Hey! O rapaz aqui está me dizendo que o Brasil é capitalista. Isto não é bom?
__-É, ué (não existe americano com sotaque e expressões mineiras. Mas o que ele disse e do jeito que disse pode ser traduzido assim). O velhinho continuou:
__-O capitalismo é bom. Ei, rapaz. Não escute o que esse cara aí de bandana tem a dizer.
__O velhinho seguiu com seu monólogo. Contou que estava fora do parque onde trabalhava como guia porque era tempo de férias, mas que estava trabalhando como pedreiro em Bozeman, porque o trabalho é um valor e não se pode parar de trabalhar.
__Uma meia hora depois, apareceu o João. O velhinho me perguntou:
__-E esse rapaz aí, quem é?
__-É meu amigo. Ele é do Brasil também.
__O João se aproximou:
__-Oi!
__-Oi, como vai?
__Falei para o João:
__-Ele trabalha no Yellowstone.
__O João voltou-se para ele:
__-Mesmo?
__-Sim. Eu estou velho, mas continuo trabalhando. Sou um guia. Alguns animais de lá fui eu mesmo quem descobriu. Bichos que nem se imaginava que existiam por lá. Adoro trabalhar. Diz a Bíblia que o trabalho... sim, eu sou um cristão. Então, diz a Bíblia que o trabalho...
__Conversa vai, conversa vem, o morenão tira a bandana. A careca dele era branca como a neve. Por um tempo, foi a vez dele de contar histórias. Falou bastante sobre sua viagem pela Europa e pelo jeito um tanto "liberal demais" do povo de lá, mas falou bem pouco sobre um país que ele visitou e não sente saudades: o Vietnã. Perguntei:
__-Você lutou na guerra?
__Respondeu olhando para o chão, triste:
__-Sim. Mas bem pouco tempo.
__

__O ex-combatente e o velhinho cristão. Sim, cristão.
_
__No dia seguinte, conversamos sobre armas. Não me lembro exatamente porque começamos a falar disso, mas acho que foi porque o cara da bandana carregava uma. O velhinho fez olhar de reprovação quando o mais novo disse, com a mão no pênis:
__-Acreditem: meu pinto me traz muito mais problemas do que o meu revólver. O que foi? É verdade, ué!

10 comentários:

Carla Zague =) disse...

Com certeza, todas as histórias que li devem ter sido 'O' aprendizado pra voce, uma experiência maravilhosa e certamente inesquecível, achei o seu blog e mais outros sobre o assunto, pois, também desejo fazer algo assim, que me leve pra fora, teste o meu inglês, e a minha habilidade de se virar sozinha...


take care!

Lislie disse...

Incrivel o seu blog.Obrigada por contar tudo.

Anônimo disse...

O seu blog eh incrivel. Parabens

Jonhson Queiroz Cardoso Junior disse...

ola gostei do seu blogger muito criativo e divertido
Faca uma visitah no meu Blogger http://jonhsonjr.blogspot.com/
e comenta lah
Ok!?
Xau

taizasoria disse...

Parabéns pelo blog! Adorei a sua forma de organizar os pensamentos!!!
Estou embracando em dezembro pra a experiência do intercâmbio! É sempre muito bom ouvir experiências anteriores, por isso, obrigada!
Bjs

Renan Caleffi de Oliveira disse...

Eu é que agradeço sua visita!
Sorte na tua viagem. E, se possível, conte suas histórias também.

Beatrice disse...

Achei muito legal suas historias sobre intercâmbio. A historia do isqueiro no Aeroporto foi muito legal. Eu fiquei pensando nas coisas que escreveu sobre como as coisas funcionam de forma diferente do Brasil. Queira saber se voce sofreu muito preconceito, especialmente por ser brasileiro?

Abraço
Beatrice

Renan Caleffi de Oliveira disse...

Preconceito nenhum. Pelo contrário: fiquei impressionado com a recepção que os brasileiros têm por lá, que é muito carinhosa. Foi assim nos estados que visitei, que foram Montana, Nevada, Arizona, Texas, New Mexico, Virginia e New York.

Hertha disse...

Perfeito o seu blog!
Que cantinho especial pra compartilhar essas experiências maravilhosas!
Me identifiquei pois passe uma temporada trabalhando na Disney (FL). Vivi coisas que se assemelham.
Gosto do seu jeito de contar as histórias: o leitor embarca nelas!
Abraços.

Renan Caleffi de Oliveira disse...

Obrigado pela gentileza. É um prazer receber esse retorno. Fico mesmo muito feliz.