sábado, 22 de setembro de 2007

Jeitinho colombiano

__Em um dos hotéis onde eu trabalhava como recepcionista, um dos camareiros era um colombiano de uns vinte e poucos anos que vivia levando bronca da sua chefe por falta de disciplina. Era um cara que aparecia bêbado no trabalho, dava festas proibidas no alojamento oferecido pelo seu empregador e dava cantadas nas hóspedes menores de idade. O Big Sky Resort chama a atenção dos seus visitantes por ter tantos trabalhadores de tantas nacionalidades diferentes e os americanos vivem perguntando aos intercambistas de onde eles vêm. Aquele colombiano certamente estava manchando a imagem do seu país nos Estados Unidos. Uma amiga americana me diz que ele estava, na verdade, mostrando aos americanos o quão semelhantes os jovens dos dois países podem ser.
__Eu e meus colegas de trabalho vivíamos recebendo presentes dos hóspedes (presentes no bom sentido). Ganhamos camisetas, comida, assessórios de esqui e outras coisas de que os clientes não precisavam mais. Era prática entre os trabalhadores dividir o que ganhavam. Se eu ganhasse pizzas, chamava os colegas e comíamos juntos. Aquele colombiano também entrava na prática amigável.
__Foi por isso que aceitei sem desconfiar um prato de nachos que ele me ofereceu quando eu passava na frente do restaurante onde ele tinha o seu segundo emprego:
__-Renan! E aí?
__-Oi, como vai?
__-Bem. Aceita uns nachos?
__-Claro!
__-Espera aí que eu vou lá pegar pra você.
__Ele entrou na cozinha e apareceu com uma tigela enrolada numa toalha.
__-Estão aí, mas estão quentes. Melhor você comer depois.
__-Ok. Obrigado.
__Estávamos no corredor do shopping onde ficava o restaurante. Sentei em um banco e fiquei com a tigela no colo. Ele também sentou ali e, amigavelmente, começou a fazer perguntas, sorrindo todo embaraçado:
__-Renan, a minha chefe perguntou algo pra você?
__-Como assim?
__-De mim. Ela perguntou algo?
__-Não.
__-Nada?
__-Nada.
__-Se ela perguntar, não conta, ok?
__Aqueles nachos eram um presente no mal sentido. Pior que eu nem sabia do que é que ele estava falando. Mas eu estava louco pra ver aquele cara sendo demitido.
__-Por favor, não conte, Renan.
__Fiquei irritado com aquela palhaçada. Olhei feio pra ele. Acredito que ele entendera que não podia confiar em mim.
__-Cara, estou indo embora. Você precisa da tigela?
__-Não. Pode ficar.
__-Até mais.
__Dividi os nachos com os colegas de um outro hotel onde trabalhava. O colombiano aprontou até o fim da estação, mas nunca foi demitido.

Um comentário:

NETMITO disse...

Excelente blogue!
Abraço.