quinta-feira, 14 de junho de 2007

Garotas fáceis

__Se você tem o hábito de ler os posts deste blog para os seus filhinhos dormirem, saiba que hoje não é o dia certo para se fazer isso. Tirem as crianças de perto porque lá vem baixaria. Meu objetivo é retratar com fidelidade as experiências de um intercâmbio cultural. Por isso, não posso suavizar o teor dos diálogos que ouço e que aqui reproduzo.
__Eu trabalhava no meu novo emprego, o terceiro, na recepção do Huntley Hotel, quando se aproximaram do balcão uma garota de uns dezesseis anos e uma de uns vinte e três. Elas queriam falar com um dos meus colegas, que vou chamar de Dude.
__-Dude, tem gente aqui querendo falar com você.
__Naquela tarde, trabalhávamos só nós dois. Ele foi falar com as meninas e eu fui me sentar na sala ao lado da recepção, de onde eu podia atender os telefonemas. Pouco depois, ele me chamou.
__-Renan, olha isso!
__Levantei e fui até o balcão.
__-O que foi?
__-Elas têm fotos de vagina no celular!
__As duas olhavam para o Dude e lhe davam sorrisos com pitadas de pimenta. Fiquei sem entender nada. O Dude estava com o celular aberto na sua mão. A mais velha falou:
__-A gente estava num acampamento com várias amigas e resolvemos tirar essas fotos. Mas essas vaginas não são nossas. São das amigas.
__Novos hóspedes se aproximaram da recepção e as meninas saíram quietas. Pouco depois, quando não havia mais ninguém por perto, falei com o Dude:
__-Cara, o que está acontecendo? Elas são suas amigas?
__-Não. Elas são hóspedes. Acabaram de chegar. Eu não conheço.
__-Você estava falando sério? Elas estavam te mostrando fotos de verdade?
__-Sim! Mas eu acho que eram as vaginas delas mesmo!
__Enquanto falávamos, elas apareceram de novo, agora de biquini. A mais velha chamou o Dude pelo nome:
__-Dude, vamos nadar nós três?
__-Hehe! Eu não posso. Estou trabalhando.
__-Ah! Vamos lá!
__Eu assistia a tudo de longe. Como homem comprometido, fiquei o tempo todo distante do fogo das duas. A mais velha tentou me trazer para o jogo:
__-Ei! Você é o gerente?
__-Não, eu não sou o gerente.
__-Você é do Brasil?
__Maldito crachá!
__-Sim.
__-Que língua você fala?
__-Português.
__-A gente é do Canadá. Sabia que eu posso falar lituânio?
__-É mesmo?
__-Sim. Escuta isso.
__Ela falou algo que, obviamente, não entendi.
__-O que isso significa?
__Ela respondeu controlando um sorriso no canto da boca.
__-Hum. Não posso te dizer. Você não acha que o Dude pode ir nadar com a gente?
__-Acho. Dude, vai lá.
__A mais nova não abria a boca, mas o olhar dela para o Dude era um convite erótico: olhos sempre semi-abertos, uma sobrancelha erguida e um sorriso abrindo e fechando.
__-Viu, Dude? Ele disse que você pode ir.
__É claro que eu estava brincando, e o Dude sabia disso. Ele falou:
__-Não vai dar não. Talvez outro dia.
__As duas saíram. Menos de uma hora depois elas estavam de volta.
__-Dude, a água estava uma delícia. Estávamos só nós duas. Você tinha que estar lá.
__Conforme a tarde avançava, mais e mais hóspedes chegavam no hotel e ocupavam a recepção. Enquanto trabalhávamos, as duas circulavam pelo lobby olhando para o Dude.
__No dia seguinte, as duas continuaram o ataque. Eu e o Dude trabalhávamos sozinhos e elas vieram ao balcão. Como sempre, era sempre a mais velha quem falava, enquanto a mais nova se oferecia com os olhos:
__-Dude, você lava as suas próprias calças?
__-Sim.
__-Que coisa de gay! Ei, você!
__Agora ela estava falando comigo.
__-Sim?
__-O que você acha de ele lavar as calças dele? Você não acha isso gay?
__-Não.
__-Você não acha que ele tinha que ir nadar com a gente?
__-Sei lá.
__Naquela noite, o Dude não resistiu. Terminado o expediente, ele foi atender o pedido das suas hóspedes, depois do que nos cruzamos no lobby.
__-Renan! Nadei com as meninas.
__-Putz! O que foi que aconteceu?
__-Elas só me abraçaram. Tinha muita gente na área.
__Na tarde do dia seguinte, eu estava entrando no hotel quando a mais nova parou na minha frente com um papel na mão:
__-Você pode entregar isso para o Dude?
__-Sim.
__-Se bem que... melhor não. Deixa que eu mesma entrego.
__Mais tarde, entro na recepção para começar a trabalhar e o Dude está todo risinho.
__-O que foi, cara? O que tinha naquele bilhete?
__Ele me entregou o papel, que dizia:

Dude, temos que confessar. Tivemos que ficar perto de você esse tempo todo porque não conseguíamos parar de olhar para o seu saco!

3 comentários:

Lipee disse...

i ve to go to big sky!!

=P

"acho" que meu namoro vai acabarrr com essa viagemm ehosheohseoshes


abraçooo renan

continua postando !

Jorge disse...

Caramba!!!

E a gente (brasileiros) às vezes achamos que essas coisas só acontecem no nosso país... Huehauehua

[]'s

PS: Meu filho adorou essa história =D

Regis disse...

Não são mulheres fáceis. São é tapadinhas de tudo!!!