terça-feira, 3 de abril de 2007

Jeitinho americano

__O dia era 30/12. Eu trabalhava checando os ingressos dos skiers quando se aproximou uma família que não tinha ingressos, e sim vale-ingressos.
__Os vale-ingressos devem ser trocados por ingressos no Ticket Sales. Esses ingressos devem ser pendurados na roupa para ficar ao alcance do scanner com que os empregados fazem a checagem. Só que essa família tinha vale-ingressos pendurados na roupa, e não ingressos. Eu não poderia deixá-los passar.
__Aproximei-me do pai, que vinha trazendo dois filhos e a esposa atrás dele.
__-Com licença, senhor. É preciso que o senhor troque os seus vales por ingressos lá no Ticket Sales.
__Aquele senhor bem gordo, de pele bem branca, cabelos louros e bochechas vermelhas olhou nervoso para o lado, como quem diz “não acredito”. Ele era mais alto do que eu e abaixou seu rosto para falar comigo:
__-Senhor, nós só temos uma hora para esquiar. Se formos lá, vamos perder muito tempo. Por que você não nos deixa passar?
__Ele tinha falado bem baixinho e olhava bem nos meus olhos. Era como se estivesse tentando vender algo ilegal e estivesse dizendo com vergonha “vai, ninguém está vendo”.
__Um cheiro bem forte de álcool vinha dele. Seus dentes estavam podres. Ele me olhava, pedindo a aprovação do pedido. Ele estava sendo bem malandro, o que podia significar que aqueles vale-ingressos tinham algo de errado e era por isso que ele não queria tentar trocá-los por ingressos.
__Eu também podia estar completamente errado no meu julgamento. Ele poderia estar apenas tentando aproveitar melhor aquele fim de dia de ski com o filhos. Se eu o obrigasse a trocar os vales, eu realmente poderia estar fazendo aquele senhor perder um tempo precioso de diversão com os filhos e a esposa. Ainda que devêssemos fazer os clientes do resort respeitarem as regras e cumprirem suas obrigações, talvez essa não fosse a hora de arriscar a satisfação daquela família. Eu já vira Jan, meu chefe, reembolsando clientes por ingressos mesmo quando a situação não parecesse justificar a transação. Jan falava que não valia a pena ter um cliente muito revoltado andando pelo resort, ainda que ele estivesse errado. Resolvi seguir o jeito do Jan resolver esse tipo de situação:
__-Ok, senhor. Pode passar. Da próxima vez, lembre de trocar o vale por ingresso, ok? É muito importante.

3 comentários:

mamainnnnnnnnnn disse...

Pois é Ninan!!!!
Em todos os paises, penso que sempre haverá um espertinho no meio povo achando que levou vantagem em alguma maracutaia.
Só pela tentativa ele já esta perdendo a dignidade.
Um beijo em teu coração

felipe disse...

Opa Renan, como ta ae?

eu de novo, felipe!

tava pensando aqui comigo e pensei em fazer uma sugestao pra voce cara..

muita gente tem em planos fazer o WE.. e sempre ta atraz de blogs, orkut etc pra ter informaçoes do que fazer e do que nao fazer.. ja li todo seu blog, antes da viajen, experiencias.. enfim tudo..

a sugestao seria voce criar outro blog ou ate fazer nesse mesmo, varias dicas do que nao fazer, do que fazer, do que comprar, do que trazer, do que n comprar, pra onde nao ir.. essas coisas todas ! ate pq voce ja tem mais conhecimento do que o pessoal que ta indo..

voce me falou na replica do ultimo post que vai ficar mais tempo que o programa.. tambem podia falar sobre isso nesse "novo blog".. como eh o lance do visto.. enfim.. tudo que vc achar que tem relevancia para o pessoal ficar sabendo..

ah, teclado sem acento huhu..


abraço cara, tudo de bom

Renan Caleffi de Oliveira disse...

Olá, Felipe!

A idéia é ótima. O único problema é arrumar tempo para tomar conta de mais um blog.

Estou pensando em fazer o seguinte: conto todas as histórias que acontecerem por aqui e, quando terminar de falar da viagem, eu posso começar a falar dos detalhes do programa nesse mesmo blog.

Assim, a primeira parte do blog será sobre a viagem, e a segunda servirá como fonte de apoio a quem está entrando num programa de intercâmbio. O que acha?