quinta-feira, 8 de fevereiro de 2007

Bate-papo com um colega colombiano

__Os ônibus descem a montanha de hora em hora. Não me lembro se saí do jantar com a intenção de pegar o ônibus das 7:10 ou das 8:10 da noite. Mas, quando saí do Huntley, o hotel onde o jantar ocorria, pude ver o ônibus indo embora. Teria que esperar uma hora pelo próximo.
__Entrei no Mountain Mall, o pequeno shopping do resort, para ficar aquecido. Matei uns trinta minutos lá, sentado, relembrando os lugares por onde eu tinha passado desde que chegara nos EUA. Depois, dei uma volta pela área e fui para a parada do ônibus com uns vinte minutos de antecedência, para não ter perigo de perdê-lo de novo. Ali, encontrei um rapaz que parecia ser uns dois anos mais velho do que eu. Perguntei em Inglês:
__-Há quanto tempo você está esperando aí?
__-Uns 15 minutos.
__Depois, ele perguntou em Espanhol:
__-Você é do Brasil?
__Respondi em Português:
__-Sim. Como você sabe?
__-Vi você conversando em Português com uns brasileiros hoje.
__Eu não entendo nada de Espanhol, mas ele falava de um jeito que eu achava estranhamente fácil de entender.
__-E você, de onde é?
__-Sou da Colômbia. Você gosta de futebol?
__-Haha... na verdade, não. Não vejo futebol nem em época de copa.
__-É raro um brasileiro não gostar de futebol.
__-É verdade.
__Ele não estava falando Espanhol coisa nenhuma. Estava era falando Portunhol.
__Chegou um ônibus. Falei com o motorista, e ele me disse que aquele não era o ônibus que eu estava esperando, mas ele ficaria ali algum tempo e, enquanto isso, nós poderíamos ficar dentro do ônibus dele para não passarmos frio.
__Entramos na máquina e eu voltei a falar com o colombiano, ainda em Português:
__-Nossos países têm um problema em comum: a violência.
__-É uma lástima. Você conhece São Paulo?
__-Sim.
__-Quantos habitantes tem lá?
__-Uns quinze milhões.
__-Nossa! Bogotá tem dois milhões!
__O Portunhol dele estava mais para Português do que para Espanhol.
__-Você fala bem o Português, hein?
__Ele sorriu. Parecia estar recebendo um elogio por um trabalho bem feito.
__-Eu apredi a falar Português assistindo televisão.
__-Como?
__-É... qual o nome daquele canal de televisão que tem um símbolo assim?
__Ele fez um gesto com a mão, como se estivesse desenhando uma bola.
__-Globo?
__-Isso. Assisto futebol lá e aprendo a falar Português assim.
__Ele sabia do gosto do brasileiro por futebol, dava audiência a um canal brasileiro de televisão e falava um bom Português. Mas eu não sabia o que comentar sobre a Colômbia agora. Até que me lembrei de um assunto que poderia nos ser comum.
__-Na Colômbia, vocês assistem “Chavo del Ocho”?
__Eu estava perguntando sobre o programa do Chavez.
__Primeiro, ele deu um sorriso. Depois, caiu na gargalhada.
__-Chavo del Ocho? Claro!
__Há uns cinco anos eu pratico Inglês na internet conversando com americanos. Eles nunca se surpreendem quando conhecemos seus programas de televisão, suas músicas, seus políticos, seus livros e a história do seu país. Nem deveriam. Sua cultura está espalhada por todo canto. Mas não se pode dizer o mesmo da Colômbia. E aquele colombiano estava muito feliz em saber que eu conhecia um dos programas de televisão que ele assistia no seu país, e que nem era colombiano.
__Como eu gostaria de saber mais sobre o seu país nesse momento. Assim, eu poderia tornar a conversa mais agradável. Mas eu só sabia sobre as FARCs, sobre os seqüestros, sobre o Fernandinho Beiramar, sobre a cocaína... nunca me preocupei em aprender nada de bom sobre esse lugar.
__Não estava surpreso por saber pouco sobre o país dele. Eu já sabia que, quando viesse para cá, encontraria pessoas de países sobre os quais eu só conheceria os pontos negativos. E só saber dos pontos negativos do país de um estrangeiro que conhecemos é um bom motivo para não ficar ofendido quando um estrangeiro só souber sobre os problemas do nosso país.

3 comentários:

Rojane disse...

Gosto de todos os personagens que estão aparecendo em tua vida, cada um deles me trás através de teus contos, um pouco de introspecção e sabedoria.
A verdade dói...
Crescer dói...
Viver é tão bom.
Bjs de mamainnnnnn meu pinguinzinho lindo!!!

Scarlett disse...

Essa dn Rojane é o máximo, heim? Q mãe "cult" vc tem! Isso é um grade privilégio, heim, ainda mais vindo da
terra em q nós moramos.

Scarlett disse...

É bem real essa questão de não ter lá grandes direitos de se ofender com o pouco conhecimento dos outros. Eu me envergonho, sei lá, às vezes, tbm do tão pouco q eu sei sobre um monte de países. Tava falando esses dias com um canadense pela net e ta certo q o cara sabia aquelas coisas tp pacote básico q nem todo brasileiro gosta de ouvir. Às vezes da vontade de gritar aos quatro ventos coisas tp: Sim, sou brasileira, sim sou clara de pele, não gosto de feijão, não sei sambar "and I dont give a shit to the Carnival thing!"... hehehe falar palavrão em outra língua é sempre como se não fosse um... palavrão. Bom, são sentimentos comuns de mais gente daqui do quem se pensa, quem sabe. Mas e aí...
Afinal me veio à cabeça..
O q eu sei de tal relevante sobre O Canada?
Caramba, o q eu sei sobre o Canada?
Aixxxx.

Obs. Vc não gosta de futebol? Uaaaau! Isso sim já é meio anormal. Se já é meio anormal alguém não torcer pro São Paulo, imagine não assistir futebol na copa!!!