sábado, 16 de dezembro de 2006

Professores nada tendenciosos

_____Da quinta série do primeiro grau até a faculdade, estudei em três colégios diferentes. Um deles era um colégio protestante. O outro era uma escola politécnica. O último era uma instituição muito grande, com escolas no exterior e com livros didáticos produzidos por sua própria editora. Mas as três tinham algo em comum: seus professores de geografia (e, algumas vezes, de história) dedicavam grandes partes de suas aulas a defender a idéia de que a responsabilidade pelo nosso subdesenvolvimento atual é toda das multinacionais e dos governos americanos e europeus.
_____Um desses professores propôs, durante seis meses, aula após aula, a solução para o país: seguir a cartilha socialista de Karl Marx. Não estou dizendo que ele apenas insinuou que deveríamos ser revolucionários marxistas. Ele realmente falou com todas as letras que Karl Marx é o gênio a ser compreendido e seguido. Esse professor deixou de ensinar diversos conteúdos obrigatórios para divagar durante aulas inteiras sobre a maravilhosa instauração da ditadura do proletariado. Todo e qualquer crítico do comunismo era, para ele, um completo idiota (estou usando as palavras dele). Não fica elegante usar aqui os termos que ele usou para qualificar o povo americano. Outro professor da mesma linha falou, sem qualquer constrangimento, na semana seguinte ao atentado de 11 de setembro, sobre o seu imenso prazer em assistir à queda das torres gêmeas.
____Alguém duvida que o marketing determina quase tudo o que os adultos compram e comem? Pois imaginem qual é a chance de um jovem educado por professores como os que eu descrevi não se tornar um anti-americano. Antes mesmo de ele saber o que é política, seus professores lhe falam infinitas vezes sobre o respeito que devemos ter por Fidel Castro em função de seu desafio aos EUA e sobre a justeza de seu regime ditatorial.
____Esses professores até admitem que o famoso jeitinho e a nossa passividade diante dos escândalos de corrupção têm peso no nosso atraso. Mas eles dizem que, ainda hoje, são as potências que nos impedem de crescer. Dessa forma, nossos problemas do passado, do presente e do futuro nunca serão culpa nossa, mas dos outros. O brasileiro é de uma natureza pura e perfeita.
____E se o gigante brasileiro acordar, o que acontece? Resposta de três dos meus professores: os Estados Unidos dão um jeito de nos derrubar.
___ E se a esquerda revolucionária chegar ao poder pelo voto? Resposta de dois daqueles professores: vai encontrar um sistema que não vai deixar que ela faça algo de bom pela população, pois os EUA influíram na elaboração da lei brasileira e, portanto, ela impede que um governo trabalhe mais para os pobres do que para os ricos.
___ Como demonstração final da humildade desses professores que nos ensinam a jamais desenvolver a auto-crítica; a culpar qualquer um, menos a si próprio, pela lerdeza com que o Brasil anda; a não aceitar que, embora tenhamos sido explorados no passado, temos o controle do nosso futuro; e a nunca ser flexíveis em qualquer negociação com potências, uma vez que elas têm uma eterna dívida conosco, eles nos dizem que "o ensino de geografia nos EUA é ruim, porque não ensina o aluno a ver o lado do outro".
___Podemos nos lamentar pelo nosso passado de exploração e esperar infinitamente por retratação e ajuda, ou começar já, com os recursos que temos, a educar a nossa população, a ajustar nossa economia, a exigir a punição dos parlamentares corruptos e não mais atribuir ao estrangeiro a responsabilidade pela nossa pobreza. Podemos visitar outros países e aprender com sua cultura. Se não temos a chance de ir pessoalmente, podemos ouvir as histórias dos que foram. Podemos ouvir a opinião dos estrangeiros a nosso respeito.
___E podemos exigir dos diretores das escolas que não permitam que seus professores digam às crianças quem elas devem odiar, quem eles devem respeitar e sob que tipo de regime eles devem querer viver.

renancontador-contato@yahoo.com.br
**********************************
__As letras vermelhas no último e no sétimo parágrafo indicam correções de erros de digitação. Já as frases em vermelho no quarto e no sexto parágrafo foram reescritas com o intuito de se obter mais clareza.
__A frase anterior do quarto parágrafo dizia: "Mas, ainda assim, a culpa é das grandes potências, pois foram elas que nos obrigaram a ser assim."
__A frase anterior do sexto parágrafo dizia: "pois os EUA determinaram as regras para o nosso governo."

3 comentários:

Anônimo disse...

Oi Renan, estou testando, pois parece que não irei conseguir enviar o comentario, mas não custa testar...rs
Achei interessante o que escreveu, em outras palavras foi o que te disse quando, acho que estava entrando na primeira série. Aprenda com eles, mas não siga o que eles falam. Foi quando estava entrando na escola Adventista.
Vc. estava começando e eu gostava daquele colegio, mas tinha um certo receio em que vc. acabasse enchergando o mundo pelos olhos deles.
Agora esta ai, indo viajar, com muitas idéias e imagens do mundo somente suas.
Como o Gaspareto fala, mais ou menos assim, "sem grandes imagens que os demos te ensinaram".
Beijão muito grande em vc.
do Pai

Anônimo disse...

Oi Renan! É isso ai! Não acredite em tudo aquilo que voce lê, vê ou ouve. Tire suas próprias conclusões primeiro. Somos dotados de uma imensa capacidade de dicernimento. Alguns usam. Outros já preferem o lado passional, e deixam-se levar pela emoção.
É óbvio, que todos tentam na verdade, uma solução que seja a melhor possível, para o seu próprio povo. A comodidade é que nos faz apenas copiar, e aceitar as interferências externas. Um dia ainda teremos a nossa tão sonhada identidade própria.
.......e nesse dia poderemos dizer ao mundo, que eles podem até tirar a nossa iniciativa, mas jamais irão tirar o nosso "Jeitinho Brasilieiroooooooo!!!! rsrsrsrs

Beijão do tio.

Douglas Donin disse...

Pois é, Renan, falou tudo. Tive uma professora de História que chegou ao cúmulo de distribuir material eleitoral na véspera de eleição para os alunos repassarem às suas famílias.

Como poderíamos explicar isso? Mero encampamento em setores da universidade? Influência inatacada dos sempre os mesmos intelectuais de esquerda? Ausência de "apelo revolucionário" nas teorias liberais, geralmente técnicas demais e isentas de paixão, que não seduzem os estudantes como as teorias socialistas, cheias de iconografia, gritos de guerra e culto à personalidade?